RONDÔNIA - APÓS PRISÃO DE TEMER, JIRAU E SANTO ANTÔNIO PODEM REVELAR NOVOS ESQUEMAS DE PROPINAS


No estado de Rondônia os desdobramentos da Operação Lava Jato, depois da rumorosa prisão de Michel Temer e outros sete integrantes, colocam muitos políticos, sindicalistas e autoridades publicas sob suspeita. Uma das próximas etapas a serem cumpridas será a fase que investigará as acusações de possíveis propinas recebidas por políticos durante a construção das usinas de Jirau e Santo Antônio, instaladas no rio Madeira..

Em junho de 2017 a operação Lava Jato apontou que essas duas obras tiveram a capacidade de unir em torno de atos suspeitos personagens da esquerda e da direita. Os valores seriam milionários e delações indicariam que Eduardo Cunha teria recebido R$ 20 milhões, o ex-senador Aécio Neves R$ 50 milhões. Já pelo lado da esquerda, o deputado petista Arlindo Chinaglia teria levado R$ 10 milhões.

ENTRE OS PERSONAGENS LOCAIS estariam, segundo amplamente já noticiado pela Imprensa nacional, os ex-senadores Valdir Raupp e Ivo Cassol. Ambos os ex-parlamentares negam as acusações e afirmam que as delações foram levianas. Líderes sindicais, ambientalistas e até indígenas teriam sido agraciados com somas em dinheiro para não tumultuarem o processo das obras.

FONTE: REPÓRTER RO.

Postar um comentário

0 Comentários