Por que o Brasil não dá certo, e se exige uma mudança cultural para que isso aconteça



Já parou para pensar por que o país do futuro permanece no futuro? Parece que o Brasil nunca realmente anda pra frente. Sempre que dá um passo adiante, tem-se a sensação de que mais adiante o país dará dois passos atrás. Temos tudo para dar certo: talentos, conhecimento, apesar da educação ser uma porcaria, criatividade de monte, bens naturais… Mas por que o país não anda?
1º Problema: o brasileiro
O primeiro problema somos nós, os brasileiros. O brasileiro é malandro. A malandragem é um dos motivos que fazem o país andar na direção errada. O jeitinho brasileiro é, definitivamente, o maior problema da nação. Veja por exemplo o motorista que atropelou um punhado de gente em Copacabana , no Rio de Janeiro. O sujeito não poderia dirigir não por que sofre de alguma enfermidade, mas por que já estava com a carteira de motorista suspensa. Como ele pegou a carteira para dirigir? Jeitinho. Certamente tem um amigo dentro do Detran ou há algum tipo de esquema que o permitiu pegar a sua carteira e fazer a merda que fez.

A incapacidade de seguir regras aliada à malandragem no espírito de tirar vantagem é algo que faz o país, como um todo, andar igual caranguejo: para trás. Basta dar uma volta pela sua cidade e você vai ver gente estacionando em local proibido com o pisca alerta ligado, como se o pisca alerta desse o direito dessas pessoas estacionarem onde não pode; gente furando fila, gente ignorando placa de PARE. Se eu for enumerar tudo de errado que o brasileiro faz no seu dia-a-dia, não vai haver espaço no meu blog para completar esta reflexão.
O brasileiro reclama da corrupção mas é naturalmente corrupto. A culpa sempre é do outro, nunca de si mesmo.

2º Problema: o governo
Assim como o povo, o governo brasileiro é naturalmente corrupto. Não há como ser diferente: se o povo é corrupto, como ter um governo honesto se os membros do governo fazem parte do povo? Entende a dinâmica da coisa?
O governo legisla sempre em causa própria, nunca em favor do povo. Isso é alguma novidade? Não é. É assim desde os tempos do Brasil Colônia. Na verdade, dada a História do Brasil, até que melhoramos muito. Sim, o Brasil já esteve bem pior. Melhorou? Sim. Mas se continuar no caminho que segue, espere por tempos bem ruins.
Não adianta ficar metendo o pau no governo se o povo não mudar. O fato é que todo mundo que entra para a política, hoje em dia, o faz para ter emprego fácil e ganhar dinheiro às custas dos outros sem trabalhar. Estou falando alguma bobagem?
3º Problema: a falta de memória
O brasileiro parece que tem vergonha da própria história. A história brasileira é rica, quase folclórica. O país nasceu de uma colônia extrativista e foi basicamente explorado pela sociedade mais corrupta da época, a sociedade portuguesa. Na época das Grandes Navegações, a corte portuguesa era a mais corrupta que existia. Tudo o que vivemos hoje teve suas origens na instauração da colônia da terra brasilis.

Veja por exemplo essa conversa de reforma agrária: quem teve essa ideia foi José Bonifácio de Andrada e Silva, o Primeiro Ministro de Dom Pedro I, durante o Primeiro Império. Naquela época fazia o maior sentido do mundo fazer uma reforma agrária pois haviam latifúndios completamente improdutivos. O recém-formado Império Brasileiro estava quebrado e precisando de dinheiro e a reforma agrária produziria bens agrícolas que poderiam ser exportados no intuito de aumentar os cofres da coroa.
Porém, quem detinha o poder na época eram os latifundiários. E a coroa precisava do dinheiro deles. O tempo passou e até hoje se fala em reforma agrária. Os latifúndios viraram história. Mas a conversa da reforma agrária permanece.

A Proclamação da República foi, basicamente, um golpe militar. Ou seja, a primeira república foi formada por militares brasileiros, que estavam descontentes com o andamento do Segundo Império, juntamente com vários segmentos da sociedade civil, inspirados pelos ideais da Revolução Francesa — quando foi proclamada a república, cantou-se a Marselhesa, o atual hino da França, na época o hino dos revolucionários franceses.
Saber a História do próprio país ajuda a evitar os erros do passado. Mas como o brasileiro não gosta da sua própria história, permanecemos repetindo, indefinidamente, os erros que nossos antepassados cometeram.

O país tem jeito?
O Brasil tem jeito sim. Mas exige uma mudança cultural. E toda mudança cultural exige anos e anos — provavelmente minha geração não verá melhoras. É preciso ter mais educação. Com o povo permanecendo ignorante, não há como haver progresso.
O fato é que estamos caminhando para uma civilização cada vez mais técnica. A formação educacional atual já não é mais suficiente para dar status de sucesso a ninguém. Antigamente, formar em algum curso superior era quase sinônimo de sucesso, altos salários, vida digna. Hoje em dia, é o mínimo.

Se não houver uma melhora no ensino de uma forma geral, não só na qualidade mas também na acessibilidade, estaremos condenando o país a se tornar uma nação atrasada, mais do que já é. Hoje já temos 3 formas diferentes de analfabetismo:
o sujeito que não sabe nem ler nem escrever;
o sujeito que sabe ler e escrever mas é incapaz de formar uma frase que preste, o dito analfabeto funcional;

o sujeito que saber ler e escrever mas é incapaz de usar corretamente um computador pessoal.
E estamos caminhando para uma quarta forma de analfabetismo: o sujeito que sabe ler e escrever mas não sabe programar um computador. Isto é efeito da sociedade técnica para a qual estamos caminhando.

Artigo - Ronaldo Faria Lima.

Postar um comentário

0 Comentários