'Sou contra o fechamento', diz Marcos Rocha ao ser perguntado sobre lockdown para Rondônia

Governador concedeu entrevista à Rede Amazônica e falou sobre o coronavírus no estado. 'Eu acredito que a regra de distanciamento é a melhor regra', disse.


O governador Marcos Rocha falou nesta quarta-feira (3), em entrevista exclusiva à Rede Amazônica, sobre as ações de combate ao novo coronavírus em Rondônia.

Ao ser perguntado pela repórter Maríndia Moura se Rondônia analisa a possibilidade de lockdown (bloqueio total ou confinamento), Marcos Rocha afirmou ser contra o fechamento total do comércio.

"A gente tem dois grupos em Rondônia: um grupo quer que pare e tem o grupo que não quer a paralisação. Se você fecha o comércio, você vai causar mortes. Vai causar a perda de trabalho e isso vai deixar a pessoa sem condições de se sustentar. Se você não fecha tudo, então também provoca mortes. Se fechar ou não, você tem uma corrente contrária a essa ação. Então aqui no estado eu particularmente sou contra o fechamento. Eu acredito que a regra de distanciamento é a melhor regra que se tem", diz o governador.

Ainda segundo Marcos Rocha, ele chegou a conversar com outro governador sobre a questão do isolamento social. "Ele me disse que no estado dele as pessoas só entenderam essa importância quando perderam alguém da família para o coronavírus", revelou.

Na entrevista, o governador também falou sobre a situação crítica da saúde em Porto Velho, que nesta semana chegou a 100% de ocupação dos leitos de UTI's para pacientes com Covid-19.

"O estado tem feito esforços para aumentar o número de leitos, nós inclusive compramos um hospital recentemente, o Regina Pacis, para poder atender a demanda [de coronavírus]. Entretanto ele ainda está em manutenção, está sendo reformado e deve ser entregue nos próximos dias, aumentando o número de leitos disponíveis", ressaltou. O estado comprou o Regina Pacis no dia 7 de maio por R$ 12 milhões.

Rocha criticou ainda o não respeito ao isolamento social por parte da população de Rondônia.

"O que tem tirado a nossa paz é que muita gente não entendeu a gravidade dessa doença. A gente vem o tempo inteiro anunciando para tentar ficar em casa, se puder. Aquele por ventura que precisa ir no mercado, que vai só uma pessoa e não vai a família inteira. Temos que ter esses cuidados agora. Sei que nós rondonienses temos costumes de ficar na calçada, jogando um futebol, mas esse não é o momento. Há uma necessidade de que a população se una, que as pessoas ajudem o estado [no combate da pandemia]", pede.

Nesta quarta-feira, a empresa In Loco mostrou que a taxa de isolamento social em Rondônia caiu para 41% nesta primeira semana de junho. O índice de isolamento está abaixo do recomendado pelas autoridades de saúde, de 70%.

Casos de coronavírus em Rondônia
O número de casos confirmados de Covid-19 chegou a 5.477 na última terça-feira (2). Ao todo, o estado tem 172 óbitos confirmados decorrentes da doença.

Porto Velho segue em situação crítica, liderando o número de casos. Por causa da quantidade de pacientes infectados, o estado anunciou que as UTI's estão 100% lotadas.

A única cidade de Rondônia que aderiu ao lockdown, por meio de decreto municipal, foi São Miguel do Guaporé (RO). O fechamento total da cidade deve durar 14 dias, depois que dezenas de funcionários da JBS foram diagnosticados com a Covid-19.
Do- G1/Ro.

Postar um comentário

0 Comentários