Corpo de indigenista morto por flechada é enterrado em Alta Floresta do Oeste, RO

Rieli Franciscato morreu na quarta-feira (9) em Seringueiras. Ele é reconhecido como um dos maiores defensores dos povos indígenas isolados.

Por Gedeon Miranda, Rede Amazônica

Amigos, familiares e pessoas que trabalharam com Rieli Franciscato deram o último adeus ao indigenista nesta quinta-feira (10) em Alta Floresta do Oeste (RO), cidade onde ele morava. O corpo chegou na cidade por volta das 10h50 e foi velado durante o dia. O sepultamento ocorreu por volta das 17h (hora local) no Cemitério da Pequena.


O sertanista morreu na quarta-feira (9) após ser atingido por uma flecha no tórax lançada por indígenas isolados em Seringueiras, interior de Rondônia.


RELATO: 'A gente só escutou o barulho da flecha no peito dele', diz testemunha

PERFIL: quem era Rieli Franciscato

Rieli era reconhecido como sendo um dos maiores indigenistas do país, tendo dedicado 30 anos de sua vida no cuidado e proteção dos povos isolados.

O coordenador da Frente de Proteção Etnoambiental Uru-Eu-Wau-Wau (FPEUEWW) defendia o não contato com os grupos e atuava para evitar um conflito com a população local. Franciscato também fez parte da equipe que demarcou a primeira terra exclusiva para indígenas isolados


"Eu o conhecia desde criança. Era uma pessoa simples, humilde, sincero, uma pessoa que não tinha rancor, era uma pessoa boa de coração", disse à Rede Amazônica o presidente da Associação Indígena Doathato, Márcio Aruá.

Quem era Rieli Franciscato?

Nascido no Paraná, o servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai) saiu do estado de origem com sete anos, passou por Mato Grosso e chegou em Rondônia no ano de 1985.


A família de Rieli, com tradição na agricultura, foi para uma propriedade vizinha: a terra indígena Rio Branco. Em 2015, em entrevista a pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB), Franciscato relatou que na infância não tinha muito conhecimento sobre a cultura indígena.


Rieli Franciscato: saiba quem era e veja a repercussão da mor

Postar um comentário

0 Comentários