Últimas

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Alt da Imagem

Ministro manda tirar Telegram do ar durante 48 horas se aplicativo não cumprir ordem judicial

 Alexandre de Moraes deu 24 horas após a notificação para plataforma cumprir ordem de bloquear três perfis apontados como responsáveis por propagar discurso de ódio e informações falsas.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal , determinou a retirada do ar durante 48 horas do aplicativo de mensagens Telegram se a plataforma não cumprir decisão que determinou o bloqueio de três perfis que, de acordo com investigadores, são utilizados para propagar discurso de ódio e disseminar informações falsas.


O ministro fixou ainda multa de R$ 100 mil caso a ordem não seja obedecida pelo aplicativo em 24 horas após a notificação.


"A efetivação da determinação judicial de bloqueio deverá ocorrer no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas, sob pena de suspensão do funcionamento dos serviços do Telegram no Brasil, pelo prazo inicial de 48 (quarenta e oito) horas", escreveu o ministro na decisão.


A informação foi divulgada nesta sexta-feira (25) pelo jornal "Folha de S.Paulo" e confirmada pela TV Globo.


Em janeiro, Moraes determinou que o aplicativo bloqueasse contas do Telegram que foram objeto de decisão judicial e, após várias tentativas de notificação, a ordem não foi cumprida.


O aplicativo é apontado como uma ferramenta que serve de meio para a disseminação de discurso de ódio e publicações falsas.

No Brasil, a plataforma, que tem sido utilizada pelo presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores, resiste a contatos para cumprir ordens judiciais e para fechar acordos de cooperação a fim de combater fake news.

No fim do ano passado, o Tribunal Superior Eleitoral enviou um ofício a executivos do Telegram propondo uma reunião para discutir possíveis medidas de cooperação para o combate à desinformação.


O documento foi enviado para o suposto endereço da empresa nos Emirados Árabes. Após quatro tentativas, a carta não foi recebida e retornou ao TSE.

Por Marcos Losekann, Márcio Falcão e Fernanda Vivas, TV Globo — Brasília

Postar um comentário

0 Comentários