Últimas

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Alt da Imagem

Fumaça encobre céus de Rondônia; veja dicas para minimizar efeitos na saúde

 A atual temporada de queimadas na Amazônia registrou nesta semana um recorde negativo: 3.358 focos de incêndio no intervalo de 24 horas. É a pior marca em 15 anos, de acordo com dados do programa federal que monitora as queimadas no bioma.

A população rondoniense está exposta nesta época do ano a poluição provocada pelas fumaças de queimadas. Mesmo nas localidades com pequena concentração de poluentes, os moradores podem ter a saúde prejudicada — inclusive quem não tam doenças respiratórias.


Segundo o Ministério da Saúde, os humanos são afetados pelas queimadas porque a fumaça proveniente delas contém diversos elementos tóxicos. Pensando nisso o g1 listou sintomas de irritação e reuniu dicas para tentar amenizar os problemas (veja abaixo).

A lista de problemas provocados pela inalação da fumaça de queimadas é grande. Os mais comuns, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS) são:

dor e ardência na garganta,
tosse seca,
cansaço,
falta de ar,
dor de cabeça,
rouquidão,
lacrimejamento e vermelhidão nos olhos.
Esses sintomas, de acordo com a OMS, variam de pessoa para pessoa e dependem do tempo de contato com a fumaça. Pessoas com doenças como rinite, asma e bronquite, por exemplo, podem ser mais afetadas.

Para amenizar os efeitos das queimadas na saúde, alguns cuidados são necessários, como:

evitar, na medida do possível, a proximidade com incêndios,
beber muita água, principalmente crianças menores de 5 anos e idosos maiores de 65 anos,
manter os ambientes da casa e do trabalho fechados, mas umidificados, com o uso de vaporizadores ou até bacias com água e toalhas molhadas,
outra dica é usar máscaras ao sair na rua,
para tentar melhorar a defesa do corpo a dica é comer alimentos ricos em vitamina C e B,
evitar o tabagismo.
Em caso de urgência, a orientação é buscar ajuda médica imediatamente.

Queimadas na Amazônia
A atual temporada de queimadas na Amazônia registrou, na segunda-feira (22), um recorde negativo: 3.358 focos de incêndio no intervalo de 24 horas. É a pior marca em 15 anos, de acordo com dados do programa federal que monitora as queimadas no bioma




Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que somente nos 15 primeiros dias de agosto deste ano, 267 focos de queimada foram registrados só em em Porto Velho.

Fonte - G1/RO


Postar um comentário

0 Comentários